O rei: Willem-Alexander

28 jan
File photo showing Netherlands' Beatrix and her son Crown Prince Willem-Alexander waving to well-wishers from the balcony of the Royal Noordeinde Palace after opening the new parliamentary year in The Hague

O príncipe herdeiro Willem-Alexander e sua mãe, a rainha Beatrix

Hoje a rainha Beatrix da Holanda abdicou ao trono. Depois de 123 anos de uma sucessão de reinados sob o comando feminino (o dela, que durou quase 33 anos, o de sua mãe Juliana, 1948-1980; e de sua avó Guilhermina, 1890-1948), o “poder” passa para as mãos do príncipe de Orange, Willem-Alexander.

Em 30 de abril deste ano, o primogênito da família real holandesa assumirá como rei e chefe de Estado. Willem é casado com a argentina Máxima Zorreguieta, que assim como Lady Di, tem os holofotes mais voltados para ela do que para o próprio príncipe e marido. O casal tem três filhas: Amalia, nascida em 2003 que se torna a princesa herdeira, Alexia (2005) e Ariane (2007).

Antes de Willem, o último rei foi Guilherme III (1849–1890), precedido por Guilherme II (1840–1849) e Guilherme I (1815–1840) – muito original, hã?! – todos da Casa de Orange-Nassau. Para refrescar a memória, Guilherme I foi coroado o primeiro monarca da Holanda, depois que os holandeses expulsaram as tropas francesas de Napoleão Bonaparte.

royalbikes

Willem, Máxima e as três filhas numa típica foto holandesa: passeando de bicicletas

A monarquia na Holanda tem poderes limitados. O monarca, embora seja considerado parte do governo, é politicamente neutro e o poder real está nos ministros.

Como príncipes, Willem e Máxima desempenharam importante função social por meio da fundação Oranje Fonds, que apoia iniciativas sociais na Holanda. Outra atividade de destaque de Willem desde 2006 é a presidência da junta assessora de Águas e Serviços da Secretaria-Geral da ONU.

Durante seu reinado Beatrix ganhou a admiração e respeito da maioria dos holandeses. Agora, resta saber se o sucessor também terá o carisma e aceitação do povo, já que uma série de acontecimentos pôs em xeque a confiança no casal de herdeiros.

Entre os motivos da resistência estão alguns investimentos imobiliários que geraram polêmicas. Em 2009 eles compraram uma casa em Moçambique, mas acabaram vendendo o imóvel após as críticas do povo. Em 2011, em meio à crise econômica européia, o casal comprou uma mansão em Kranidi, na Grécia, que segundo o jornal holandês De Volkskrant, custou 4,5 milhões de euros.

Inicialmente, o próprio casamento entre Willem e Máxima não foi visto com bons olhos pelo parlamento holandês por ela ser filha do político Jorge Zorreguieta, que foi secretário de Agricultura do general Videla durante a ditadura na Argentina. Mas atualmente a princesa da Holanda é tão benquista pela população que há rumores de que ela também seria coroada rainha ao lado do marido, fato inédito nos Países Baixos.

Texto: Flávia Waltrick

Brasil marca presença no Festival de Cinema de Roterdã

22 jan

cinema

Quinze filmes irão representar o Brasil na 42ª edição do Festival Internacional de Cinema de Roterdã, que começa amanhã  e vai até o dia 3 de fevereiro. Da seleção nacional, o destaque é o longa “Eles Voltam”, do pernambucano Marcelo Lordello, que fará sua estréia internacional na cidade holandesa. O filme, vencedor do festival de Brasília, também concorre ao prêmio Hivos Tiger, o principal da mostra competitiva do evento, ao lado de produções da Itália, Irã, México e Argentina.

eles_voltam

Maria Luíza Tavares vive a garota Cris que tenta voltar para a casa com o irmão depois de serem largados na estrada

Coincidência ou não, este é o terceiro cineasta pernambucano a participar da seção competitiva, depois de Kléber Mendonça Filho com “O Som ao Redor” no ano passado; e Cláudio Assis, premiado em 2007 com o longa “Baixio das Bestas”. Foi também em Roterdã que o conterrâneo Gabriel Mascaro exibiu pela primeira vez “Avenida Brasília Formosa”.

Com uma temática mais leve e aventureira que os longas pernambucanos exibidos anteriormente, “Eles voltam” narra a história de duas crianças que são deixadas pelos pais à beira da estrada depois de brigarem constantemente durante uma viagem à praia.

A cada ano que passa o cinema nacional tem marcado mais presença no festival. Nesta edição, também estreiam em terras holandesas as produções brasileiras “Morro dos Prazeres”, de Maria Augusta Ramos; “O Uivo da Gaita”, de Bruno Safadi; “Avanti Poppolo”, de Michael Wahrmann;  “A Floresta de Jonathas”, de Sérgio Andrade; e “O Rio nos Pertence”, de Ricardo Pretti.

Completam a lista da seleção brasileira, “Claun – Parte 1: Os dias aventurosos de Ayana”, de Felipe Bragança; “Dizem que os cães veem coisas”, de Guto Parente; “Filme para poeta cego”, de Gustavo Vinagre numa produção conjunta entre Brasil e Cuba; “Na sua Companhia”, de Marcelo Caetano; “Odete”, de Clarissa Campolina, Ivo Lopes Araújo e Luiz Pretti;  “Serra do mar”, de Iris Junges;  “Tropicália, de Marcelo Machado; e novamente de Bruno Safadi, “Éden”.

Cena de "Avenida Brasília Formosa", de Gustavo Mascaro, cineasta contemplado com o Hubert Bals Fund 2013

Cena de “Avenida Brasília Formosa”, de Gabriel Mascaro, cineasta contemplado com o Hubert Bals Fund 2013

Entre as novidades deste ano estão as novas categorias de premiação. A mais notável que envolve mais um brasuca cineasta é a Hubert Bals Fund, uma iniciativa do Festival de Cinema de Roterdã que fornece subsídios para projetos de cinema ​​em vários estágios de conclusão. Entre os selecionados para este ano está Gabriel Mascaro. A experiência com a exibição “Avenida Brasília Formosa” lhe rendeu apoio do Hubert Bals Fund na execução do seu primeiro longa de ficção.

Outra iniciativa que vem animando o mercado cinematográfico é o “Big Screen Award”, onde dez filmes recentes concorrem para distribuição no Benelux. E por fim, mais um prêmio foi criado: o World View New Genres Fund Development Award, com premiação de 5 mil euros concedido ao melhor projeto exibido no CineMart (mercado de coprodução de Roterdã).

Texto: Flávia Waltrick

Hogmanay: o Ano Novo escocês!

11 jan
Edinburgh's Hogmanay Street Party 2010

Multidão na Princes Street durante a festa da virada

Nem todo Reveillon na Europa é animado. Em muitas cidades queimam-se os fogos, a multidão se dispersa e a festa acaba. Mas em Edimburgo, capital da Escócia, a conversa é outra. Para quem procura um lugar diferente do convencional, o Hogmanay pode ser uma ótima pedida, especialmente se você estiver disposto a passar a virada ao som de muita música escocesa.

A procissão de tochas é uma tradição da era viking

A procissão de tochas é uma tradição da era viking

Para brindar, nada de champanhe! Esteja munido de um bom scott para aguentar o frio (além do mais, a cerveja não é o forte por lá)! Considerada uma das maiores festas de Ano Novo do mundo, o Hogmanay reúne cerca de 100 mil pessoas todos os anos nas ruas da cidade. A maior festa acontece numa das ruas principais da capital, a Princes Street, aos pés do castelo de Edimburgo.

Banho nas águas geladas do rio Forth é farra e tradição no primeiro dia do ano

Muita farra no primeiro dia no ano durante o banho nas águas geladas do rio Forth

São três dias de muita festa e entre 30 de dezembro e 1 de janeiro, diversas atrações movimentam a cidade, como a procissão de tochas, concerto a luz de velas na catedral St Giles, discoteca para crianças, triathlon, corrida de cachorros de trenó e até um mergulho no rio Forth para celebrar o início do ano (independentemente das baixas temperaturas, já que a tradição de mais de 400 anos serve para arrecadar dinheiro para instituições de caridade no Reino Unido).

Na noite da virada, o centro da cidade fica tomado por várias festas espalhadas com música eletrônica, bandas e o evento mais típico, “The Keilidh”. Lá, a ideia é celebrar o Ano Novo no embalo da tradição celta: com direito a gaita de foles, saias kilt e coreografia escocesa. Confira no vídeo abaixo:

Texto e vídeo: Flávia Waltrick / Fotos: BBC

Feliz Natal!

21 dez
IMG_9307

Árvore de Natal e a Catedral de Colônia

As tradicionais feiras de Natal movimentam ainda mais a Alemanha nesta época do ano. As “Weihnachtsmarkt” são realizadas em diversas cidades desde a Idade Média. A mais antiga delas acontece em Dresden e chega a receber 2 milhões de visitantes todos os anos.

A feira de Colônia também é muito procurada, onde centenas de barraquinhas são montadas nas sete feiras espalhadas pela cidade com ofertas variadas: artesanatos, brinquedos, roupas de inverno, doces e muitas comidas típicas como as famosas salsichas grelhadas com mostarda, muita cerveja e vinho quente.

Olha aí uma palinha do show na feirinha de Natal em Colônia!

Texto, fotos e vídeo: Flávia Waltrick

Dia de Sinterklaas!

5 dez

O Natal na Holanda é comemorado de forma um pouco diferente do que em outros países. Aqui, o Papai Noel é conhecido como Sinterklaas, não anda de trenó e nem entra pela chaminé! Ele vem da Espanha de barco, montado num cavalo branco, usa um cajado e um revelim (chapéu de bispo). Todos os anos, os holandeses comemoram a véspera do dia de São Nicolau – santo que deu origem a Sinterklaas – no dia 5 de dezembro. As famílias se reúnem e as crianças esperam ansiosas pelos presentes, que aparecem no dia seguinte junto dos sapatos que elas deixaram perto da lareira na noite anterior.

Chegada de Sinterklaas em Amsterdã em seu cavalo branco.

Chegada de Sinterklaas em Amsterdã em seu cavalo branco

Na Holanda, esta data é mais celebrada do que a própria noite de Natal! E as comemorações já são tradições antigas no país, e começam algumas semanas antes. No final de novembro, Sinterklaas e seus ajudantes, os Zwarte Pieten, chegam de barco e fazem um desfile nas cidades. Este ano, o desfile em Amsterdã aconteceu no domingo de 18 de novembro. Milhares de pessoas foram às ruas para ver a chegada de Sinterklaas em cima de seu cavalo branco, acompanhado dos Zwarte Pieten que animaram o dia com shows musicais e distribuindo as tradicionais pepernoten, bolachinhas holandesas típicas desta época. Veja aqui algumas imagens do dia da chegada de Sinterklaas na capital holandesa:

Entre a chegada de Sinterklaas até a noite da festa, o velhinho e seus ajudantes puderam ser vistos em alguns pontos da cidade. Os Zwarte Pieten, sempre com um saco cheio de guloseimas, distribuíram doces para todos. Abaixo você confere um pequeno registro do grupo flagrado dentro de um tram em Amsterdã!

Texto, fotos e vídeo: Bárbara Chanin

Turn on the Lights 2012

30 nov
Artistas suspensos durante espetáculo na praça Dam

Performance no ar encantou o público na praça Dam

Está aberta a temporada de compras, festivais e festas de final de ano de 2012 na Holanda! O evento Turn on the Lights marcou a data com a inauguração das luzes de Natal do Bijenkorf, maior e mais luxuoso shopping do país, com um espetáculo de teatro ao ar livre ontem, 29 de novembro, na praça Dam, no coração de Amsterdã.

O céu da cidade ficou ainda mais bonito e encantador com uma performance teatral onde um violinista, bailarinos e cantores se apresentaram suspensos por um guindaste. “Água” foi o tema do evento, em referência aos 400 anos dos canais em Amsterdã celebrados em 2013.

Ao final do espetáculo, a fachada do Bijenkorf  foi acesa com 675 metros quadrados de iluminação, composta por mais de 100 mil luzes de LED. O famoso letreiro “Iamsterdam”, originalmente instalado na Museumplein, foi temporariamente transferido para a praça Dam, especialmente para o evento.

Veja aqui imagens do espetáculo!

Maconha na Holanda… até quando?

16 nov

Cardápio de um coffeeshop em Amsterdã

Turistar na Holanda é sinônimo de maconha liberada, certo? Errado! O fato da droga ser legalizada no país não permite que o visitante ande pra lá e pra cá fumando seu baseado. Os turistas devem  recorrer aos coffeeshops, comprovar a maioridade e aí sim, podem se deleitar com o leque de variedades da erva.

A pequena  diferença entre “liberada” e “legalizada” parece não fazer diferença para quem passeia pela Holanda, mas a partir de 2013 muita coisa pode mudar. E quem pensa em visitar o país por este motivo pode colocar as barbas de molho porque o impasse que restringe o consumo de maconha a turistas continua gerando polêmica nos Países Baixos.

Continue lendo